Educação escolar na Asia: Como os astiacos pensam nas escolas

A Educação é uma poderosa ferramenta de desenvolvimento e um dos instrumentos mais fortes para reduzir a pobreza, melhorar a saúde, a igualdade de gênero, promover a paz e a estabilidade mundial.

Infelizmente, a Educação continua sendo um direito inacessível para milhões de crianças em todo o mundo. Mais de 72 milhões de crianças em idade de educação primária não estão na escola e 759 milhões de adultos são analfabetos e não têm a consciência necessária para melhorar tanto as suas condições de vida quantos as de seus filhos.

Daqui a cinquenta anos, os países serão regidos pelas crianças de hoje. Seus pensamentos e ações serão moldadas por aquilo que sabem e têm experimentado, proporcionando o futuro de sua nação.

Trata-se de uma abordagem conhecida como Domínio da Matemática, usado também em escolas da China e que vem sendo adotado em algumas instituições de ensino de outros países, como o Reino Unido.

Essa é apenas uma parte de uma história de sucesso que despertou o interesse do mundo.

Cingapura se beneficia de ter um sistema escolar enxuto, no qual professores são reunidos no Instituto Nacional de Educação para serem treinados.

Seu diretor, Tan Oon Seng, me disse que o instituto recruta professores com base no seu grau de conhecimento das disciplinas, e é esperado que eles garantam que cada criança compreenda os elementos básicos do ensino.

Em Cingapura, “nas escolas em dificuldade, os professores de qualidade são afetados” e os professores são “bem remunerados em relação a outras profissões”, revela Charbonnier, que considera que os cursos particulares cursados por boa parte dos alunos asiáticos após o dia escolar explicam em parte a boa performance desta região do mundo.

Com o tempo você vai entendendo cada vez mais o pensamento do povo asiatico, em geral eles pensam de uma maneira muito parecida, não importa de que pais você for, se você vem da asia em geral o seu pensamento é muito parecido com o próximo. Um dos pontos mais importante para eles é o respeito máximo entre as pessoa que estão em algum cargo acima de você ou são mais velhos que você.

A idade é algo muito importante e eles priorizam muito isso pois acreditam que quanto mais velho você mais for, mais experiencia você teve e sabe muito mais do que quela pessoa. Em alguns países da asia como a coreia do sul quando você está bebendo na frente de alguma pessoa mais velha que você, você precisa colocar a sua mão na frente do copo antes de beber, isso é uma das regras básicas de etiqueta da coreia.

Na China uma coisa que me chama muito atenção é quando você está conversando com alguma pessoa mais velha e você tem alguma duvida, você jamais pode duvidar daquela pessoa, caso contrario você será considerado uma pessoal incomuns da sociedade.Quando eu estava na universidade em Beijing na minha sala tinha pessoas do mundo inteiro, americanos, alemães, coreanos, japoneses, indianos e diversos países do mundo inteiro.

Os americanos e os alemães sempre faziam perguntas para o professor de tudo que gostariam de saber na sala de aula, para trocar informações e aprender mais, porem os coreanos, japoneses e indianos só ficavam escultado a aula toda e não abriam a boca para nada, eu achava muito estranho mas fui entendendo o pensamento deles e me adaptando a cultura deles aos poucos. Eu acredito que essa não seja a melhor maneira para o aprendizado, por que você fica travado e não quer fazer a pergunta pois tem medo de ser rebaixado na sala.

A China é um exemplo do que pode dar certo. “Após um investimento gigantesco em educação, eles conseguiram reduzir a quase zero o analfabetismo entre as crianças. E, agora, partem para o mais difícil: vão atacar o analfabetismo entre os adultos nas áreas mais remotas do país e, com os recursos e a força governamental que têm, em pouco tempo, estou certa que conseguirão”, conclui.