A música chinesa evoluiu desde os tempos antigos, sob a influência das doutrinas religiosas, filosóficas e ideológicas. Hoje, a música continua uma rica herança tradicional em um aspecto, ao mesmo tempo que evolui para formas mais contemporâneas. Alguns instrumentos tradicionais são: vários tipos de flauta, o sheng, o gongo, sinos e o erhu. A maioria das músicas predominantes na China é bem lenta, calma e repetitiva.

Quase três mil anos antes do nascimento de Cristo, numa época em que a música do homem europeu talvez não fosse mais do que o bater de ossos sobre troncos ocos, o povo da China já estava de posse da mais complexa e fascinante filosofia da música que hoje se conhece. De onde veio esse sistema fechado de misticismo musical, ou de que maneira se desenvolveu, não se sabe. Podemos dizer apenas que a tradição da música clássica chinesa é tão antiga que suas origens pertencem agora ao domínio da lenda, perdidas além das névoas que limitam a extensão do olhar do historiador moderno.

Hoje em dia, a música é definida como “Arte e ciência de combinar harmoniosamente os sons de modo que seus elementos constituintes provoquem uma sensação auditivaagradável e excitem a actividade intelectual, despertando emoções”. São três, portanto, os elementos básicos que compõem o todo: a melodia (melos, melum — doce, canto suave), o ritmo (rhythmus — cadência) e a harmonia (harmonia — simetria, proporção).

As músicas chinesas que predominavam antes da cultura ocidental chegar no país eram baseadas em sons emitidos por instrumentos rústicos, principalmente feitos de bambu. Após a queda imperial da China (no começo do século XX), a influência ocidental começou a ser ainda mais notória; gêneros como o jazz tomoram seu espaço na música chinesa.

A Ópera chinesa é uma arte de grande valor cultural do povo chinês. Essa arte é reconhecida mundo afora, principalmente pelo drama que carrega em suas apresentações. As histórias das óperas chinesas carregam fortes momentos, que requisitam dos atores grandes performances. Vale lembrar que o costume da ópera na China é secular e as primeiras óperas eram destinadas às famílias imperiais e aos convidados.

Os chineses estavam certos de que toda música vulgar e sensual exercia uma influência imoral sobre o ouvinte. Daí que toda música fosse estreitamente vigiada de modo que se pudesse verificar se ela tendia para a espiritualidade ou para a degradação e se, de um modo geral, o seu efeito propendia para o bem ou para o mal. Confúcio condenou diversos estilos que supunha moralmente perigosos. Afirmava ele: “A música de Cheng é lasciva e corruptora, a música de Sung é mole e efeminante, a música de Wei é repetitiva e tediosa, a música de Ch’i é dura e predispõe à arrogância.”

A musica na China está mudando gradativamente, das musicas clássicas os chineses não querem mais, eles querem saber do que está no mundo pop e um pouco do velho e clássico rock and roll. Na minha opinião um dos grandes motivos que a China não tem nem uma estrela mundial no meio musical, é que o governo controla toda a musica e todas as lestras que são lançadas no pais, basicamente eles não tem liberdade de escrever o que eles pensam e o que eles querem expressar.

Muito dos musicos que conheci tem vontade de escrever sobre criticas, brigas e liberdade de expressão mas eles não podem, pois tem medo de que o governo descubra e eles acabem entrando em confusão… É uma pena pois a China tem uma população muito grande e não tem nem uma musica que consiga se destacar no mercado. Próximo da minha casa tem alguns bares que tocam musicas de boa qualidade, o pessoal que está lá tem estilo de musico importante, mas quando começam a cantar vem a depressão. Musicas com uma pessima composição musical e que chega a doer os ouvidos de tão ruim.

Para estabelecer a paz e dar início a conduta adequada, era importante que a música fosse simples, induzisse a tranquilidade, e facilitasse a conduta apropriada no contexto cerimonial.

Em funções oficiais, para produzir o devido respeito pela autoridade e uma resposta ideal da audiência, a música devia ter um magnífico começo, ser harmônica e clara, ter uma estrutura fácil. Essa estética padrão para a música influenciou a China nos últimos dois milênios.

São três os tipos de música tradicional mais populares: música da ópera chinesa, música de orquestra e a performance solo instrumental.

Apesar da crença chinesa de que a música não é para divertir, mas para purificar os pensamentos, a música da ópera chinesa é destinada ao entretenimento. Existem hoje vários tipos de ópera chinesa, mas os mais populares são as da ópera de Pequim e de Sichuan.

O conjunto possui cerca de sete músicos e ficam numa das extremidades do palco. Os instrumentos são de cordas, matracas de madeira, gongos, címbalos e instrumentos de sopro. A principal função dos instrumentos de corda é acompanhar o canto, mas eles também são usados para fazer efeitos especiais, como sons de animais.

Após as sucessivas reformas políticas ocorridas mais recentemente, encontrou-se um equilíbrio entre a música folclórica, ensinada regularmente nos conservatórios e praticada por conjuntos instrumentais típicos, e a música ocidental, disciplina ministrada nas escolas e conservatórios oficiais bem como difundida pelos inúmeros grupos instrumentais de câmara e sinfónicos espalhados por todo o país.

Eu espero que um dia mude essa visão dos chineses de cantarem só coisas controlada pelo governo e eles consigam criar alguma coisa atrativa para a plateia. Existe alguns bares em Beijing que tem alguns eventos com algumas bandas chinesas boas, porem essas bandas são formadas muitas vezes com estrangeiros ou com pessoas que moraram em outros países e aprenderam sobre musica de qualidade. Essas bandas são decentes de escultar e você consegue aproveitar um pouco da vibe da musica.

Atualmente, muito da música histórica chinesa foi conservado, graças à forte ligação às tradições do povo com a cultura do país. Há partituras do século XVII conservadas até a atualidade. O tempo Zhi Hua, em Beijing, construído em 1446, mantém até hoje um grupo de monges cujas atividade estão ligadas à música chinesa. Eles tocam instrumentos de sopro, com técnicas passadas de mestres para alunos, de geração para geração.

Durante o período das “Cinco Dinastias e dos Dez Reinos”3 a China adoptou vários instrumentos considerados “bárbaros” como, por exemplo, o violino mongol de duas cordas. Este instrumento, ntroduzido primeiramente no teatro, só mais tarde seria considerado digno de ser ouvido nas cortes. A dinastia Song,4 através de uma inteligente política mercantil, viria atrazer estabilidade e prosperidade à China. Durante este período, os instrumentos de arco, genericamente designados por huqins, conheceram o seu apogeu. É particularmente interessante o posicionamento do arco que, ao contrário dos instrumentos de corda ocidentais, é preso no meio das cordas.5

Uma das partes mais difíceis da língua chinesa é compreender a fala e falar o idioma, sendo assim, nota-se que é de grande utilidade o uso da música chinesa para ajudar a aprendizagem do idioma, tanto no ouvido, quanto na fala.